A geometria das partículas das fibras vegetais para aplicação no design de produtos. O exemplo da Araucária

Débora Jordão, Dalton Razera, Rosilani Trianoski

Resumo


Este artigo relata os fundamentos teóricos e de campo utilizados no estudo de geração de partículas das escamas estéreis da Araucária (Araucaria angustifolia) A Araucária é uma espécie vegetal presente na lista das espécies ameaçadas de extinção da The World Conservation Union e parte-se da premissa que a espécie pode ser conservada através da sua valorização como árvore frutífera. A sua semente, o pinhão, é um produto alimentar amplamente consumido na região sul do Brasil nos meses de outono e inverno e é formado em um pseudofruto que gera material residual pós-colheita e consumo. O método de pesquisa utilizado é o de revisão bibliográfica e experimental, onde foram observados o comportamento do material na geração e seleção de partículas e as granulometrias obtidas ao fim dos processos. Os resultados indicam as características do material triturado e o seu comportamento durante o estudo.

Texto completo:

PDF

Referências


BASSO. C. M. G. A Araucária e a paisagem do planalto sul brasileiro. Revista de Direito Público, Londrina, v. 5, n. 2, p. 1-11, ago. 2010.

BERGLUND, L. e ROWEL, R. M. Wood composites. In: Handbook of Wood Chemistry and Wood Composites. Florence, Ky: CRC Press, 2005. Disponível em: < http://www.fpl.fs.fed.us/documnts/pdf2005/fpl_2005_berglund001.pdf>. Acesso em 12 jan. 2016. Cap. 10, p. 279-301.

BIRON, M. Thermoplastic composites. In: Thermoplastics and thermoplastic composites. Technical information for plastic users. Elsiever, 2007. Cap. 6, p. 769-829. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/book/9781856174787>. Acesso em: 6 mar. 2016.

_____ Thermoplastic processing. In: Thermoplastics and thermoplastic composites. Technical information for plastic users. Elsiever, 2007. Cap. 5, p. 715-766. Disponível em: . Acesso em: 6 mar. 2016.

BISTAGNINO, L. Design Sistêmico: uma abordagem interdisciplinar para a inovação. Caderno de Estudos Avançados em Design. Sustentabilidade II. Barbacena, p. 13-28, 2009. Disponível em: . Acesso em 6 mai 2016.

BITTENCOURT, A. M. Aspectos econômicos do pinhão nas mesorregiões sudeste e centro-sul do estado do Paraná. 2012. 195f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2012.

BRASIL. CONAMA. Resolução N. 278. Dispõe sobre o corte e a exploração de espécies ameaçadas de extinção da flora da Mata Atlântica. Ministério do meio Ambiente. Julho de 2001.

BREMBATTI, K. Corte de Araucária está proibido até 2017. Gazeta do Povo. Curitiba, 20 set. 2016. Cadernos Vida e Cidadania. Disponível em: . Aceso em 20 out. 2016.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. 1. Ed. v. 1. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. Colombo. 2003. p. 801-812.

CERTI. Diagnóstico das cadeias produtivas do pinhão e da erva-mate. Com análise da cadeia de valor e de impactos, normatização, política & efetividade e benchmark. 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

COSTA, F. J. O. G. da et al. Metodologia para determinação instrumental da cor de pinhões de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze. Comunicado Técnico 322. 1º Ed. Embrapa Floresta. Colombo. 2013. Disponível em: . Acesso em: 7 mai. 2015.

DANNER, M. A.; ZANETTE, F.; RIBEIRO, J. Z. O cultivo da araucária para a produção de pinhões como ferramenta para a conservação. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo. v. 32, n. 72, p. 441-451, out./dez. 2012.

DIAS, M. R. A. C. Percepção dos materiais pelos usuários: modelo de avaliação Permatus. 2009. 368 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Sana Catarina, Florianópolis, 2009.

DUNKY, M. e PIZZI, A. Wood Adhesives. In: Adhesion Science and Engineering, 2002. v. 1, Cap. XXIII, p.1039-1103. Disponível em: . Acesso em 5 mar. 2016.

EMBRAPA. Degustação e oficina do livro “O Pinhão na Culinária” no Mercado Municipal de Curitiba. Portal Embrapa, Notícias, 17 jul. 2015. Disponível em: < https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/3693216/degustacao-e-oficina-do-livro-o-pinhao-na-culinaria-no-mercado-municipal-de-curitiba>. Acesso em 3 mar. 2016.

GODOY, R. Avaliação do potencial do pinhão na alimentação e no desenvolvimento de produtos – PINALIM. Embrapa Floresta. Colombo. 2012.

IWAKIRI, S. Painéis de madeira reconstituída. Curitiba: FUPEF, 2005.

IFSCTV. Campus Urupema desenvolve cerveja de pinhão. LinkDigital. O blog dos servidores do IFSC, 27 out. 2016. Disponível em: https://linkdigital.ifsc.edu.br/2016/10/27/campus-urupema-desenvolve-cerveja-de-pinhao/>. Acesso em 31 out. 2016.

JOHN, M. C. e THOMAS, S. Biofibres and biocomposites. In: Carbohydrate Polymers. v. 71, n. 3, p. 343-364, fev, 2008. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0144861707002974>. Acesso em 26 fev. 2016.

KRUCKEN, L. e TRUSEN, C. A comunicação da sustentabilidade de produtos e serviços. Cadernos de Estudos Avançados em Design. Sustentabilidade I. Barbacena, v. 3, p. 65-74, 2013. Disponível em: . Acesso em 27 jun. 2016.

KOCH, Z. Araucária: a floresta do Brasil meridional. Curitiba: Olhar Brasileiro, 2002. p. 35; 39.

KULA, D. Materiology the creative industry’s guide to materials and techinologies. Besel – Boston – Berlin: Birkhäuser Verlag AG, 2009. p. 135 e 225.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 5.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. v. 1. p. 17.

MEURER, Bernd. The transformation of design. Design Issues, v. 17, n. 1 (Winter, 2001). p. 44-53.

MARRA, A.A. Technology of wood bonding: principles in practice. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992.

MARTINS, G. S. Preparação e caracterização de compósitos de poli (cloreto de vinila) reforçados com fibra de sisal. 2003. 89 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Materiais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MATTOSO, L. H. C. et. al. Utilização de fibras vegetais para reforço de plásticos. In: Pesquisa em andamento. Embrapa, São Carlos, n. 3, p. 1-4, nov, 1996. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfaSQAL/fibras-vegetais-reforco-plasticos. Acesso em 17 fev. 2016.

MOURÃO, N. M. Sustentabilidade na produção artesanal com resíduos vegetais: uma aplicação prática de design sistêmico no Cerrado Mineiro. 2011. 219. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2015.

PAIVA, J. M. F. et al. Carbons material from sisal and sugarcane bagasse reinforced lignophenolics matrices composites. In: Natural polymers and composite, 4, 2002. P. 416-421.

PARCHEN, C. F. A . Compósito madeira cimento de baixa densidade produzido com compactação vibro dinâmica. 2012. p. 173. Tese (Pós Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

PRODANOV,C.C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Modo de acesso: www.feevale.br/editora.

RAZERA, D. L. Estudo sobre as interações entre as variáveis do processo de produção de painéis aglomerados e produtos moldados de madeira. 2006. p. 157. Tese (Pós Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

REMADE. Revista da Madeira. Comportamento da madeira com fogo. Curitiba: Lettech Editora. n. 128, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2016.

SANTOS, A. J. dos et al. Aspectos produtivos e comerciais do pinhão no estado do Paraná. Revista Floresta, Curitiba, v. 32, n. 2, p. 163-169, 2002.

SCHIER, R. A. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. RA’E GA, O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, n. 7, p. 79-85, 2003.

SILVA, J. S. G.; HEEMANN, A. Eco-Concepção: design, ética e sustentabilidade ambiental. In: Encontro em Sustentabilidade em Projeto do Vale do Itajaí, I. ENSUS. Florianópolis, abr. 2007. Disponível em:< http://ensus2007.paginas.ufsc.br/files/2015/08/Eco-Concep%C3%A7%C3%A3o-Design-%C3%89tica-e-Sustentabilidade-Ambiental1.pdf>. Acesso em 7 mai. 2015.

SOARES, T. S. e MOTA, J.H. Araucária – O Pinheiro Brasileiro. Revistas Científicas Eletrônicas – Engenharia Florestal – FAEF, Garça, ano 2, n. 3, fev. 2004.

TRISOTO, F. O pinhão no laboratório. Gazeta do Povo. Curitiba, 6 jun. 2013. Caderno Vida e Cidadania. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/o-pinhao-no-laboratorio-e2qdupr8s6gvantm940gqejbi. Acesso em: 17 dez. 2015.

VIEIRA-DA-SILVA, C.; MIGUEL L. de A.; REIS, M. S. Utilizações alternativas para as “falhas”, componente da pinha (Araucaria angustifolia), e seu potencial para a agricultura de base agroecológica. In: Congresso Brasileiro de Agroecologia. 7. 2011. Fortaleza. Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia.

YAMAJI, F. M. Produção de compósito plástico- madeira a partir de resíduos da indústria madeireira. 2004. p. 182. Tese (Pós Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.

YOUNGQUIST, J. A. Wood- based composites and panel products. In: Wood handbook. Wood as an engineering materials. Madison, 1999. cap. 10, p.10-31. Disponível em: . Acesso em 12 fev. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.