Por um design político

Denise Berruezo Portinari, Pedro Caetano Eboli Nogueira

Resumo


Através do pensamento sobre os “meios de produção” proposto por Walter Benjamin, a análise da sociedade burguesa empreendida por Roland Barthes e o pensamento de materialidade de Bruno Latour, bem como o pensamento sobre o Dissenso, de Jacques Rancière se pretende chegar a uma política da estética para o design. Pressupondo que o modernismo tenha incutido nos modelos epistemológicos do design a ideia de verdade, típica do discurso científico, o presente artigo se propõe a pensar de que forma o design político pode constituir um campo de ficção, capaz de, no avesso das práticas corriqueiras do design, gerar rupturas na ordem do sensível.

Palavras-chave


Design, Política, Estética, Dissenso, Subjetivação

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Aula: aula inaugural da Cadeira de Semiologia Literária do Colégio de França. São Paulo: Cultrix, 2004.

Mitologias. Rio de Janeiro: Difel, 2003.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas, Vol. 1 - Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOMFIM, Gustavo Amarante. Fundamentos de uma Teoria Transdisciplinar do Design: morfologia dos objetos de uso e sistemas de comunicação. In: Estudos em Design, Volume 5, n 2, dez 1997. p. 27-41.

CROSS, Nigel. Designerly Ways of Knowing. London: Springer, 2006.

DISALVO, Carl. Adversarial design. Cambridge: MIT Press, 2012.

EAGLETON, Terry. A Ideologia da estética. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1993.

EISENMAN, Peter. “O fim do clássico: o fim do começo, o fim do fim”. In: NESBITT, Kate (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura - antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naify, 2008.

“O pós-funcionalismo”. In: NESBITT, K (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura - antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naify, 2008.

FORTY, Adrien. Objetos de desejo: design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

FOUCAULT, Michel & MACHADO, Roberto (org). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FUAD-LUKE, Alastair. Design activism: beautiful strangeness for a sustainable world. London: Earthscan, 2009.

GREENBERG, Clement. Pintura Modernista. In: Glória Ferreira e Cecília Cotrim (orgs) - Clement Greenberg e o Debate Crítico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997

GUATTARI, Felix & ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

HALDRUP, Michael et. al., Remix Utopia: Eleven Propositions in Design and Social Fantasy. Nordes 2015: Design Ecologies. Nordic Design Research, n.6, 2015.

KESHAVARZ, Mahmoud, Design-Politics Nexus: material articulations and modes of acting. Nordes 2015: Design Ecologies. Nordic Design Research, n.6, 2015.

LATOUR, Bruno. Um Prometeu cauteloso? alguns passos rumo a uma filosofia do design (com especial atenção a Peter Slotedijk). Agitprop: revista brasileira de design, São Paulo, v. 6, n. 58, jul./ago. 2014.

What Is the Style of Matters of Concern? Two Lectures in Empirical Philosophy. Assen: Koninklijke Van Gorcum, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. O dissenso. In: NOVAES, Adauto (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

. O Desentendimento: política e filosofia. Sao Paulo: Ed. 34, 1996b.

. O Destino das Imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SUDJIC, Deyan. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

THORPE, Anne. Defining Design as Activism. Artigo submetido ao Journal of Architectural Education, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.